sexta-feira, 30 de setembro de 2011

MENINO TRAVESSO.

 
Menino travesso
Eduardo Baqueiro 
 

Hoje eu vou me vestir de menino travesso.
Não vou bater na tua porta, não...
Vou pular tua janela.
E não adianta trancá-la,
eu arrombo...
Se estiveres dormindo não faz mal não....
Eu vou chegar de mansinho,
Sem fazer alarde,
para  não te assustares.
Eu chegarei perto de ti,
Apenas sentindo teu cheiro
De loba, de menina, de fêmea
E eu, como um lobo sedento, te acho,
Encho tua boca com minha língua...
Sentirás a pressão de meu corpo sobre o teu,
Te renderás sem nenhuma resistência...
Eu sei...
Deixar- te-ei nua para sentires meu corpo nu
Meus sentidos estarão todos atentos
Para te sentir...
O ritmo do teu corpo
em sintonia com o meu corpo.
Uma só voz, um só corpo, em um só desejo...
Eu te desejo, tu me desejas;
Eu te pertenço, tu me pertences;
Somos donos um do outro,
Somos donos da madrugada,
Somos duas estrelas com o mesmo brilho...
Somos eu e você e nada mais.
Neste momento o tempo há de parar,
As ondas do mar se acalmarão,
O silêncio se calará diante de nosso fogo....
E assistirão, intrépidos, ao nosso show...
Não temos pressa.
O amor se transforma em loucura
E, loucos que somos,
Vivemos este momento único...
 A nossa loucura não termina
Continuamos nossa viagem...
Meu corpo pede o teu
que, faminto, se entrega...
Nossos corpos se falam no contato,
Nossa bocas, sedentas,
se perdem uma na outra;
Nossas mãos se perdem na vastidão
de nossos corpos;
Nosso desejo é que esta eternidade
não termine,
Que nossa fome nunca seja saciada,
Que nosso fogo jamais seja extinto!
Escuto teu choro baixinho,
Pedindo que eu a possua como nunca...
Meu desejo é entrar dentro de você
E explodir para te saciar!
Minha língua, inquieta,
procura teus cantos mais íntimos
E se perde no caminho,
onde a loucura se torna dona de nós...
Chega o momento do nosso êxtase...
Explodimos, um dentro do outro,
Não haverá jamais um momento como este!
Te sinto como jamais senti...
És minha, tão minha, somente minha
assim como eu sou teu...
Eu amo você...

UM ÍNSTANTE APENAS.

 
Um instante apenas
Eduardo Baqueiro


Fechei meus olhos
Num instante apenas...
Vi você como sempre desejei
Teu corpo inebriante causava excitação
Sentia um enorme desejo de possuí-la
Mas estavas distante de meu corpo...
Uma lágrima caía de meus olhos
Era a saudade bandida que habitava meu peito
Que se expressava através do meu choro
Neste momento necessitava de teu corpo 
Como uma criança faminta
necessita do peito materno
Já era noite e chovia lá fora
Meu corpo chorava tua ausência
O frio causava dor em meu peito
Sua ausência revoltava minha alma
Uma sensação perturbadora me dominava por inteiro
Um misto de paixão e ódio
revezavam-se dentro de mim
Paixão por você,
ódio por não estar em seu braços...
Minha querida, quanta falta você me faz
Vem para meus braços,
Vem sentir o calor de minha boca colada na tua
Vem sentir meu corpo dentro do teu
Vem se entregar aos meus desejos mais secretos
Vem sua bandida,
vem minha pequena safada
Vem se transformar na mulher de meus desejos
Pois só assim esta saudade
Este desejo que sinto por você se acalmarão
Então poderei viver um pouco mais
Sem você...

O QUE SERIA DOS HOMENS SEM AS MULHERES.

O que seria de nós homens
durante aqueles momentos
em que a mascara de durão cai
e o homem forte de outrora
mostra-se na realidade
chorando feito criança assustada.
É quando tu mulher...
Chega com a sua tranquilidade,
carinho, amor e força
para acalentar aquele
que ate então
era um imbativel colosso.
E agora deita a cabeça
no teu colo suave e descansa.

Luís André.L.R

MULHER... SINONIMO DE...

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

SEMPRE TE AMEI.

Eduardo Baqueiro

Não sei a cor de teus olhos
Não conheço teu sorriso
Nem sei a cor de tua pele...
Mas ninguém te conhece como eu!
Apesar de não sentir teu cheiro
Nem o gosto de teus beijos
Ninguém sabe melhor o que se passa
em teu coração...
Sempre te amei, sempre te amarei!
 Há algo mais em você que me fascina
Que me faz sentir sua falta a cada
momento de minha vida...
Nunca te vi,
Nem pela fresta da porta
Nem caminhando na tua praia
Mas meu coração te sente sempre
 presente...
Tua voz rouca e sexy, eu conheço
Os teus dengos, tuas fraquezas,
A forma como me trata em nossos
 momentos...
Gostaria de um dia te ver e te tocar
Você sempre será a minha preferida
A mulher de meus sonhos
O amor de minha vida....

CÓDIGO DE HAMURABI.

O Código de Hamurábi empreendeu uma nova experiência na tradição jurídica mesopotâmica.


No processo de consolidação do Primeiro Império Babilônico (1800 – 1600 a.C.), observamos a trajetória que permitiu a civilização amorita subjugar uma grande parcela da população encontrada na Mesopotâmia. Entre os diversos reis que empreenderam a formação dessa estrutura política sólida e centralizada, destacamos o papel desempenhado por Hamurábi, monarca que comandou a Babilônia entre os séculos XVIII e XVII a.C..

Buscando garantir o exercício de seu poder no rico território mesopotâmico, esse monarca decidiu empreender uma reforma jurídica que fixou uma série de importantes transformações. Até o seu governo, as leis que regulamentavam os direitos e deveres dos babilônicos eram transmitidas por meio da oralidade. Ou seja, toda a lei que partia da autoridade real ou traçava as tradições jurídicas da população era repassada de boca em boca.

Muitas vezes, esse tipo de costume abria espaço para diversas contendas e modificações que poderiam ameaçar a estabilidade necessária a um regime controlado por um único indivíduo. Por isso, o rei Hamurábi ordenou a criação de um código de leis composto por aproximadamente 280 artigos devidamente registrados em um imenso monólito, que levava em seu topo um relevo com a imagem do próprio rei. Dessa forma, nascia um dos mais antigos códices de leis escrito em toda história humana.

Em linhas gerais, o Código de Hamurábi foi baseado na anterior Lei de Talião, que preconizava o princípio do “olho por olho, dente por dente”. Dessa forma, podemos perceber que, em diversos casos, as leis escritas por Hamurábi privilegiavam a adoção de uma pena similar ao tipo de crime realizado pelo seu infrator. No entanto, quando estavam envolvidos indivíduos originários de classes sociais distintas, essas penas poderiam ser bastante variadas.

Preocupado com a aplicação das leis em todo território dominado, Hamurábi teve o cuidado de produzir cópias do código que deveriam ser fixadas em diferentes regiões de seu império. Dessa forma, estabelecia um meio de homogeneizar as decisões jurídicas a serem adotadas e, ao mesmo tempo, garantia meios de legitimar sua própria autoridade. Mesmo com o fim do Império Babilônico, percebemos que diversas civilizações se inspiraram nesse importante legado jurídico para organizar seu próprio conjunto de leis.

JARDINS SUSPENSOS DA BABILONIA.

Os Jardins Suspensos foram construídos na Babilônia a mando do rei Nabucodonosor, no século VI a.C., tornando-se uma das principais obras arquitetônicas empreendidas pelo monarca durante seu reinado pela Mesopotâmia. A obra é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, apesar de não se ter registros de sua existência em pesquisas arqueológicas.


Jardins Suspensos da Babilônia
Eram compostos por cerca de seis terraços construídos como andares, dando a idéia de serem elevadiços – ou suspensos, como o próprio nome sugere. Os andares tinham cerca de 120 m², apoiados por gigantes colunas que chegavam a medir até 100 metros.

Cada superfície era adornada com jardins botânicos que continham inúmeras árvores frutíferas, esculturas dos deuses cultuados pelos acádios e cascatas, situadas em uma planície retangular.

Alguns documentos antigos dizem que os jardins davam acesso ao palácio do rei Nabucodonosor, que havia mandado construí-lo para satisfazer as vontades de sua esposa preferida Amitis. Ela dizia que sentia saudades dos campos e florestas de sua terra natal, Média.

Sua localização próxima ao rio Eufrates possibilitou que amplos sistemas de irrigação fluvial atingissem a superfície, através de poços gigantes em formas de arcos que chegavam a medir 23 metros de altura. Como as pedras eram muito raras no território da Babilônia, grande parte da construção dos Jardins Suspensos eram sustentadas por tijolos, revestidos de betume e chumbo para mantê-los secos da água irrigada.

Para preservar a beleza dos Jardins Suspensos, escravos mantinham o sistema de roldanas e baldes para encher as cascatas e piscinas, distribuindo toda a irrigação para as superfícies do local.

Por mais que se imagine a estonteante beleza dos Jardins Suspensos, muito pouco se sabe de como ele era realmente mantida e qual foi sua finalidade ou o motivo de sua total destruição. Em nenhum dos documentos encontrados na Babilônia no período de Nabocondosor encontra-se registro da existência dessa gigantesca obra arquitetônica. O que se sabe está registrado em anotações de historiadores da Grécia Antiga, mas, mesmo assim, a maioria de suas informações são muito vagas.

A MULHER INSPIRADORA.

Mulher, não és só obra de Deus;
os homens vão-te criando eternamente
com a formosura dos seus corações,
e os seus anseios
vestiram de glória a tua juventude.

Por ti o poeta vai tecendo
a sua imaginária tela de oiro:
o pintor dá às tuas formas,
dia após dia,
nova imortalidade.

Para te adornar, para te vestir,
para tornar-te mais preciosa,
o mar traz as suas pérolas,
a terra o seu oiro,
sua flor os jardins do Verão.

Mulher, és meio mulher,
meio sonho.

Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera"
Tradução de Manuel Simões

A MENINA DOS OLHOS DE DEUS.

"O mundo foi todo criado
Com amor, carinho e cuidado.
Mas foi preciso seu riso
Para chamar-se Paraíso....
Mulher,
Escolhida por companheira
Ajudadora, conselheira
Amada, genitora
Puramente encantadora.
Dotada de uma beleza
Que corpo algum pode mostrar
E uma fortaleza despida
Na fragilidade do olhar.
Mulher...
Por Deus tão querida....
Ai de quem nessa vida
Fizer seus olhos chorar...
Sua vida não tem preço
Não aceite o desrespeito
És preciosa demais...
Diamantes em taças de cristais!!!!
Por isso hoje
Ou em outro dia qualquer
É O SEU DIA MULHER
Dia de saber o seu valor!
Imagem e semelhança do CRIADOR
A menina dos olhos de DEUS!" (Rose Felliciano)

.

EM BUSCA DO CONHECIMENTO.

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=115818771
EM BUSCA DO CONHECIMENTO É UMA COMUNIDADE PARA
AQUELES QUE APRECIAM O CONHECIMENTO.
AQUI VC ENCONTRARÁ SITE COM JOGOS DE XADREZ ON
LINE - APLICAÇÕES MILITARES - ARQUEOLOGIA E PALEONTOLOGIA -
CIÊNCIAS DA TERRA - CIÊNCIAS DA VIDA - CIÊNCIAS NATURAIS -
ENGENHARIA - EXPLORAÇÃO ESPACIAL - ROBOTICA - NANOTECNOLOGIA -
DICIONARIO DE LATIM E ETC...
A SUA PRESENÇA ENCHERÁ AINDA MAIS DE CONHECIMENTO ESTA
COMUNIDADE.

A EDUCAÇÃO ESPARTANA.











O espartano era um cidadão desde cedo moldado conforme os valores militaristas de sua cidade-Estado.



Em termos genéricos, podemos ver que a educação desenvolvida em Esparta estava intimamente ligada ao caráter militarista que a sociedade e o governo tomavam naquela época. Desde a mais tenra idade, percebemos que a formação do indivíduo era reconhecida como uma função a ser obrigatoriamente assumida pelo próprio Estado. Para compreendermos tal prática, é necessário nos lembrar que os espartanos viam cada novo ser como um soldado em potencial.

Já ao nascer, a criança era minuciosamente observada por um grupo de anciãos. Caso ela não apresentasse uma boa saúde ou tivesse algum problema físico, era invariavelmente lançada do cume do monte Taigeto. Se fosse considerada saudável, ela poderia ficar com a sua mãe até os sete anos de idade. Depois disso, passava a ficar sob a tutela do governo espartano para assim receber todo o conhecimento necessário à sua vindoura trajetória militar.

Entre os sete e os doze anos a criança recebia os conhecimentos fundamentais para que conhecesse a organização e as tradições de seu povo. Depois disso, era dado início a um rigoroso treinamento militar onde seria colocado em uma série de provações e testes que deveriam aprimorar as habilidades do jovem. Nessa fase, o aprendiz era solto em um campo onde deveria obter o seu próprio sustento por meio da coleta, da caça de animais ou, em alguns casos, por meio do furto.

Nessa mesma época, os aprendizes eram colocados para realizarem longas marchas e lutarem uns com os outros. Dessa maneira, aprendiam a combater eficazmente. Além disso, havia uma grande preocupação em expor esse soldado a situações provadoras que atestassem a sua resistência a condições adversas e obediência aos seus superiores. Cada vez que não cumprisse uma determinada missão, esse soldado em treinamento era submetido a terríveis punições físicas.

Quando chegavam aos dezessete anos de idade, o soldado espartano era submetido a um importante “teste final”: a kriptia. Funcionando como uma espécie de jogo de esconde-esconde, os soldados participantes se escondiam de dia em um campo para, ao anoitecer, saírem à caça do maior número de hilotas (escravos) possíveis. Quem sobrevivesse a esse processo de seleção já estaria formado para integrar as fileiras do exército e teria direito a um lote de terras.

Com relação às mulheres, devemos salientar que essa mesma tutela exercida pelo Estado também era dirigida a elas. De acordo com a cultura espartana, somente uma mulher fisicamente preparada teria condições de gerar filhos que pudessem lutar bravamente pela defesa de sua cidade-Estado. Além disso, durante sua vida civil ela poderia adquirir o direto de propriedade e não estava necessariamente sujeita à autoridade de seu marido.

Quando alcançava os trinta anos de idade, o soldado espartano poderia galgar a condição de cidadão. A partir desse momento, ele participava das decisões e leis a serem discutidas na Ápela, assembleia que poderia vetar a criação de leis e indicava os indivíduos que comporiam a classe política dirigente de Esparta. Quando atingia a idade de sessenta anos, o indivíduo poderia sair do exército e integrar a Gerúsia, o conselho de anciãos responsável pela criação das leis espartanas.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

DECIFRA-ME.

 
Decifra-me
 
Eduardo Baqueiro

 
Não me pergunte se te amo
Jamais te direi com palavras
Meus sentimentos por ti
Sou sinônimo de mistério
 
Não terás as respostas pelos
meus lábios
Tampouco te direi como obtê-las
Terás que descobrir...
 
Talvez através do brilho dos meus
olhos quando olhas para mim
Talvez pelo tom de minha voz
quando te falo do meu amor
 
Ou talvez, quem sabe, pela maneira
que te toco, quando estamos a sós
Descubra você mesmo,
Mas não me perguntes
 
Não te direi com palavras
Saberás,
se souberes procurar...
Se realmente me amas como dizes,
acharás as respostas...
 
Elas estão fragmentadas em mim
Aos poucos,
montarás um quebra cabeça
E, se no final,
souberes interpretar a charada,
saberás o que sinto por ti
 
Mas não demores muito
tentando me entender.
Não conseguirás, eu sei!
Somente... decifra-me se puderes
 
Enquanto isto, me ame,
como jamais amou
Abra seu coração para mim
E deixa-me ser dono de teu amor
 
Se te sentires feliz,
talvez descubras o quanto te amo
 

FUNERAL DE UM LAVRADOR.

Funeral de um Lavrador

Chico Buarque

Esta cova em que estás com palmos medida
É a conta menor que tiraste em vida
É a conta menor que tiraste em vida
É de bom tamanho nem largo nem fundo
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a parte que te cabe deste latifúndio
Não é cova grande, é cova medida
É a terra que querias ver dividida
É a terra que querias ver dividida
É uma cova grande pra teu pouco defunto
Mas estarás mais ancho que estavas no mundo
estarás mais ancho que estavas no mundo
É uma cova grande pra teu defunto parco
Porém mais que no mundo te sentirás largo
Porém mais que no mundo te sentirás largo
É uma cova grande pra tua carne pouca
Mas a terra dada, não se abre a boca
É a conta menor que tiraste em vida
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a terra que querias ver dividida
Estarás mais ancho que estavas no mundo
Mas a terra dada, não se abre a boca.

QUANDO O AMOR CHEGAR.

 
Quando o amor chegar
 
Eduardo Baqueiro
 
 
 
Esta paz que sentes no peito
É coisa passageira,
É apenas calmaria,
Prepara-te para a tempestade!
 
Assim é a vida...
Não te dará trégua,
Deixar-te-á apenas descansar.
O turbilhão está nascendo
Em teu peito.
 
Aquela bandida está chegando...
Está invadindo tua intimidade...
Já não irás dormir esta noite,
Teus pensamentos serão roubados.
 
É o amor que vem!
Chega sem pedir-te licença,
Acomodando-se em teu peito,
É a paz dizendo adeus.
 
Vive estes momentos de amor
Como se fosse a última vez,
Talvez o seja!
 Não te importes,
Entrega-te aos braços de teu amor!
 
Talvez amanhã possa ser tarde...
Ela pode não esperar.
No peito, ela carrega muito amor
Pra dividir com aquele
Que se atreva a amá-la.
 
Assim como chegou
Ela poderá partir...
A dor se instalará no teu peito,
Mas sentirás a sensação doce de saber
 que um dia ela te pertenceu! 

QUERO SER ANJO.

Quero ser anjo
Eduardo Baqueiro

Tenho tudo que desejo...
O amor de uma família,
O amor de um homem maravilhoso,
Uma profissão...
Sou bonita e querida por todos,
Parece que não me falta nada...
Na verdade desejaria ser um anjo!
Trocaria tudo que tenho
Para ser livre...
Desejaria voar, ser imensidão...
Sentir-me um anjo de verdade.
Mas minhas asas estão presas,
Eu não aprendi voar...
Sinto medo...
Preciso da minha liberdade
para ser completa. 
Minha parte mulher se sente reprimida...
Minha alma reclama
o espaço que é meu por direito!
Desejaria gritar ao vento
Para que todos compreendam
que minha felicidade 
não estará completa,
enquanto minhas asas
estiverem presas ao chão.
Não me basta somente amor,
Quero minha liberdade!
Somente assim estarei completa...
Somente assim serei teu anjo! 

FRAGMENTOS DE AMOR.

Fragmentos de Amor
Eduardo Baqueiro
 
Interessante nosso caso!
Nosso amor parece ter encontrado a pitada certa
O tempero no ponto exato,
Pois não é doce demais, tampouco salgado...
Ele é algo difícil de se explicar.
É como uma rosa que teima nascer entre pedras,
Desafiando o calor intenso e a falta d'água
Mas, depois de algum tempo, suas raízes encontraram solo fértil
Então, na calada da noite, cresceu e se tornou uma linda rosa...
Uma rosa que é rosa à noite e é azul de dia.
Um amor que cresceu sem se importar onde ia chegar
E chegou onde está, mais seguro, mais tranqüilo
mais maduro.
Um amor que une uma peixinha e um lobo
Um lobo que aprendeu a amar o mar
para poder chegar perto de sua amada!
Uma peixinha que, de teimosa, ensinou um lobo a amá-la
Estranhos os caminhos do amor!
Maravilhosos os efeitos deste amor dentro de nós!
Desejo a nós dois muito tempo para dividirmos,
Muito amor para gastar,
Muitos sorrisos e muitas gargalhadas,
Porque a vida, apesar de seus contratempos, é linda!
Muito mais linda com você junto de mim!
Com amor e carinho

terça-feira, 27 de setembro de 2011

NECESSIDADE DA PROPAGANDA.

BRECHT - Necessidade da Propaganda




BERTOLT BRECHT

Notwendigkeit der Propaganda
Necessidade da Propaganda
1

É possível que em nosso país nem tudo vá bem como deveria ser
Mas ninguém pode duvidar que a Propaganda é boa.
Até quem passa fome deve admitir
Que o Ministério da Alimentação fala bem.

2.

Quando o Regime em um só dia
Mil pessoas tem assassinado, sem
Inquérito nem Julgamento (1)
O Ministro da Propaganda elogia a infinda paciência do Führer
Que com o matadouro tem esperado tanto tempo
E o canalha acumulado com cargos e posição-de-honra
Em um tão magistral discurso que
Nestes dias não apenas os parentes das vítimas
Mas também os próprios açougueiros lamentam.

3.

E quando em outro dia o grande balão-dirigível do Reich
Caiu em chamas porque foi enchido com gás inflamável (2)
Para poupar o não-inflamável para objetivo bélico
Prometeu o Ministro da Aviação diante dos caixões das vítimas
Que ele não deixará desanimar, ao que
Nada além de aplauso elevou-se. Mesmo dos caixões
Deveriam vir aplausos.

4.

E quão magistral é a Propaganda
Pra o lixo e para o livro do Führer!
Todos juntos trazidos, o livro do Führer a recolher
Onde sempre deixado por perto.
Para o coletor-de-trapos a propagar, tem o grande Göring
Tem se declarado o maior coletor-de-trapos de todos os tempos e
Para alojar os trapeiros no meio da capital do Reich
Construiu um palácio
Que é tão grande quanto uma cidade (3)


5.

Um bom Propagandista
Faz de um chiqueiro um parque-de-excursões.
Se não há gordura, ele prova
Que uma cintura delgada embeleza todo homem
Milhares, que têm ouvido ele falar sobre as auto-estradas
Se alegram, como se eles tivessem carros.
Acima das covas dos mortos-de-fome e dos falecidos
Ele cultiva arbustos-de-louros. Mas muito tempo antes que
Ele fale sobre a Paz, já os canhões se moveram.


6.

Apenas através da excelente Propaganda se consegue
Convencer milhões de pessoas em conjunto
Que o desenvolvimento das Forças Armadas significa esforço para a Paz
Cada novo tanque é uma peça para a Paz
E cada novo regimento é uma nova prova
Do desejo de Paz.

7.

Entretanto: bons discursos também possibilitam muito
Assim possibilitam, mas não tudo. Muitos
Têm já dito ouvir: que pena!
Que a palavra ‘carne’ não mata a fome, e que pena!
Que a palavra ‘roupa’ tão pouco consiga aquecer.
Quando o Ministro do Planejamento faz um discurso de louvor
a um novo tecido fino
Não pode nem chover, senão
Os ouvintes ficam lá só de camisas.

HOMEM NÃO CHORA



Um dia, a flor Dorita perguntou ao seu amigo, o menino Daniel:
- Você diz que não chora porque é homem.
Mas afinal, por que homem não chora?
- Porque homem tem de ser forte.
- Mas homem não sente dor?
O menino lembrou-se da martelada no dedo e respondeu:
- Sente!
- Então! - falou a florzinha. - Quando você se machuca, você sente dor.
- E aonde é que fica a dor?
- Bem, fica no lugar machucado e depois vem para cá. - e apontou o peito.
- Pois é - disse a florzinha. A dor entra dentro da gente.
E só vai sair quando a gente botar ela pra fora.
Com as lágrimas. Então, quando você sente uma dor forte,
é claro que você tem de chorar. Senão não passa...
O menino olhou bem para a cara da flor
e começou a recordar do escorregão no futebol.
do mau jeito no tornozelo, do nariz raspado...
Lembrou também da dor-tristeza que sentiu quando seu cachorrinho sumiu.
E quando seu melhor amigo mudou da cidade.
Ainda olhando para a cara da flor, Daniel caiu na maior choradeira.
Tinha lágrimas a mais não poder.
Elas rolavam formando uma poça aos pés da flor.
- Ei, que é que houve? - perguntou a flor, espantada.
- Tou botando a dor pra fora, Dorita.
E eu lá quero carregar toda essa dor pesada dentro de mim?...

domingo, 25 de setembro de 2011

Trechos finais do enredo de EURICO, O PRESBÍTERO.

"Eurico, gardingo [visigodo] nobre mas pobre,
amava Hermengada, irmã de Pelágio e filha de Fávila, Duque da Cantábria, que se opôs a este casamento,
Eurico, com desgosto, faz-se sacerdote. Compunha hinos religiosos e antevia a derrocada do império
visigótico. Entretanto os Mouros invadem a penísula e Eurico faz-se guerreiro. Aparece como o Cavaleiro
Negro na batalha de Críssus em que os cristãos são derrotados. Dez cavaleiros fugitivos conduzem
Hermengarda ao Convento da Virgem Dolorosa. Cavaleiros árabes perseguem-nos e atacam o mosteiro.
Cremilde, a abadessa, desfigura as monjas para evitar que elas vão povoar os haréns muçulmanos.
Os mouros, coléricos, degolam-nas e conduzem Hermengarda para a tenda de Abdulaziz, donde é libertada
pelo Cavaleiro Negro (Eurico). Este leva-a para Covadonga, refugio dos cristãos. Hermengarda
descobre-lhe a identidade e pede-lhe que, no dia seguinte, case com ela. Eurico responde-lhe que é
impossível visto não querer quebrar os compromissos do celibato. Pouco depois, morre a combater com três cavaleiros. Hermengarda enlouquece a entoar um dos hinos religiosos de Eurico.

 ÚLTIMA PÁGINA DO ROMANCE. 

Um contra três! - Era um comate calado e temeroso. O cavaleiro da Cruz parecia desprezar Muguite:
os seus golpes retiniam só nas armaduras dos dois Godos. Primeiro o velho Opas, depois Juliano caíram.
Então, recuand, o guerreiro cristão exclamou:
- Meu Deus! Meu Deus! - Possa o sangue do mártir remir o crime do presbítero!
E, largando o franquisque [arma utilizada pelos godos] levou as mãos ao capacete de bronze e arrojou-o
para longe de si.
Muguite, cego de cólera, vibrara a espada: o crânio do seu adversário rangeu, e um jorro de sangue 
salpicou as faces do sarraceno.
Como tomba o aberto solitário da encosta ao passar do furacão, assim o guerreiro misterioso do Críssus
caía para não mais se erguer!...
Nessa noite, quando Peládio voltou à caverna, Hermengarda, deitada sobre o seu leito, parecia dormir.
Cansado do combate e vendo-a tranquila, o mancebo adormeceu, também, perto dela, sobre o duro
pavimento da gruta. Ao romper da manhã, acordou ao som de cântico suavíssimo. Era sua irmã que
cantava um dos hinos sagrados que muitas vezes ele ouviria entoar na catedral de Tárraco. Dizia-se que 
seu autor fora um presbítero da diocese de Híspalis, chamado Eurico.
Quando Hermengarda acabou de cantar, ficou um momento pensando. Depois, repentinamente, soltou
uma destas risadas que fazem eriçar os cabelos, tão tristes, soturnas e dolorosas são elas: tão completamente exprimem irremediavel alienação de espírito.
  A desgraçada tinha, de feito, enlouquecido.  

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

SE SE MORRE DE AMOR.

Se se morre de amor! – Não, não se morre,
Quando é fascinação que nos surpreende
De ruidoso sarau entre os festejos;
Quando luzes, calor, orquestra e flores
Assomos de prazer nos raiam n’alma,
Que embelezada e solta em tal ambiente
No que ouve e no que vê prazer alcança!
Simpáticas feições, cintura breve,
Graciosa postura, porte airoso,
Uma fita, uma flor entre os cabelos,
Um quê mal definido, acaso podem
Num engano d’amor arrebentar-nos.
Mas isso amor não é; isso é delírio
Devaneio, ilusão, que se esvaece
Ao som final da orquestra, ao derradeiro
Clarão, que as luzes ao morrer despedem:
Se outro nome lhe dão, se amor o chamam,
D’amor igual ninguém sucumbe à perda.
Amor é vida; é ter constantemente
Alma, sentidos, coração – abertos
Ao grande, ao belo, é ser capaz d’extremos,
D’altas virtudes, té capaz de crimes!
Compreender o infinito, a imensidade
E a natureza e Deus; gostar dos campos,
D’aves, flores,murmúrios solitários;
Buscar tristeza, a soledade, o ermo,
E ter o coração em riso e festa;
E à branda festa, ao riso da nossa alma
fontes de pranto intercalar sem custo;
Conhecer o prazer e a desventura
No mesmo tempo, e ser no mesmo ponto
O ditoso, o misérrimo dos entes;
Isso é amor, e desse amor se morre!
Amar, é não saber, não ter coragem
Pra dizer que o amor que em nós sentimos;
Temer qu’olhos profanos nos devassem
O templo onde a melhor porção da vida
Se concentra; onde avaros recatamos
Essa fonte de amor, esses tesouros
Inesgotáveis d’lusões floridas;
Sentir, sem que se veja, a quem se adora,
Compreender, sem lhe ouvir, seus pensamentos,
Segui-la, sem poder fitar seus olhos,
Amá-la, sem ousar dizer que amamos,
E, temendo roçar os seus vestidos,
Arder por afogá-la em mil abraços:
Isso é amor, e desse amor se morre!

CANÇÃO AMIGA.

Eu preparo uma canção
Em que minha mãe se reconheça
Todas as mães se reconheçam
E que fale como dois olhos
Caminho por uma rua
Que passa em muitos países
Se não me vêem, eu vejo
E saúdo velhos amigos
Eu distribuo segredos
Como quem ama ou sorri
No jeito mais natural
Dois caminhos se procuram
Minha vida, nossas vidas
Formam um só diamante
Aprendi novas palavras
E tornei outras mais belas
Eu preparo uma canção
Que faça acordar os homens
E adormecer as crianças
Eu preparo uma canção
Que faça acordar os homens

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

TRÊS APITOS.

Quando o apito da fábrica de tecidos
Vem ferir os meus ouvidos
Eu me lembro de você
Mas você anda
Sem dúvida bem zangada
Ou está interessada
Em fingir que não me vê
Você que atende ao apito de uma chaminé de barro
Porque não atende ao grito
Tão aflito
Da buzina do meu carro
Você no inverno
Sem meias vai pro trabalho
Não faz fé no agasalho
Nem no frio você crê
Mas você é mesmo artigo que não se imita
Quando a fábrica apita
Faz reclame de você
Nos meus olhos você lê
Que eu sofro cruelmente
Com ciúmes do gerente
Impertinente
Que dá ordens a você
Sou do sereno poeta muito soturno
Vou virar guarda-noturno
E você sabe porque
Mas você não sabe
Que enquanto você faz pano
Faço junto ao piano
Estes versos pra você

AMAR É UM COMBATE DE RELÂMPAGOS.

Plena mulher, maça carnal, lua quente, espesso aroma de algas,
lodo e luz pisados, que obscura claridade se abre entre tuas colunas?
que antiga noite o homem toca com seus sentidos?
Ai, amar é uma viagem com água e com estrelas,
com ar opresso e bruscas tempestades de farinha:
amar é um combate de relâmpagos
e dois corpos por um só mel derrotados.
Beijo a beijo percorro teu infinito,
tuas margens, teus rios, teus povoados pequenos,
e o fogo genital transformado em delicia
corre pelos tênues caminhos do sangue ate
pricipitar-se como cravo noturno,
ate ser e não ser senão na sombra de um raio.

A ESCRAVIDÃO NÃO É RACISTA.

O NAVIO NEGREIRO.

'Stamos em pleno mar
Era um sonho dantesco... o tombadilho,
Que das luzernas avermelha o brilho,
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar do açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras, moças... mas nuas, espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs.
E ri-se a orquestra, irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Se o velho arqueja... se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...
Presa dos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece...
Outro, que de martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra
E após, fitando o céu que se desdobra
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais!
Qual num sonho dantesco as sombras voam...
Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
E ri-se Satanaz!...
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus...
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noite! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!...
Quem são estes desgraçados
Que não encontram em vós
Mais que o rir calmo da turba
Que excita a fúria do algoz?
Quem são?... Se a estrela se cala,
Se a vaga à pressa resvala
Como um cúmplice fugaz,
Perante a noite confusa...
Dize-o tu, severa musa,
Musa libérrima, audaz!
São os filhos do deserto
Onde a terra esposa a luz.
Onde voa em campo aberto
A tribo dos homens nus...
São os guerreiros ousados,
Que com os tigres mosqueados
Combatem na solidão...
Homens simples, fortes, bravos...
Hoje míseros escravos
Sem ar, sem luz, sem razão...
São mulheres desgraçadas
Como Agar o foi também,
Que sedentas, alquebradas,
De longe... bem longe vêm...
Trazendo com tíbios passos
Filhos e algemas nos braços,
N'alma lágrimas e fel.
Como Agar sofrendo tanto
Que nem o leite do pranto
Têm que dar para Ismael...
Lá nas areias infindas,
Das palmeiras no país,
Nasceram crianças lindas,
Viveram moças gentis...
Passa um dia a caravana
Quando a virgem na cabana
Cisma das noites nos véus...
...Adeus! ó choça do monte!...
...Adeus! palmeiras da fonte!...
...Adeus! amores... adeus!...
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se eu deliro... ou se é verdade
Tanto horror perante os céus...
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?
Astros! noite! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!...
E existe um povo que a bandeira empresta
P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?!...
Silêncio!... Musa! chora, chora tanto
Que o pavilhão se lave no seu pranto...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra,
E as promessas divinas da esperança...
Tu, que da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança,
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu na vaga,
Como um íris no pélago profundo!...
...Mas é infâmia demais...
Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo...
Andrada! arranca este pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta de teus mares!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

SEM CONHECIMENTO O SER HUMANO SERA UM ETERNO ESCRAVO.

MINHA RELIGIÃO.

A minha religião não se encontra guardada entre as paredes dos templos religiosos. Onde se ensina que aquela é que é a sua verdadeira religião. Onde se prega o preconceito, a intolerancia e o fanatismo religioso. A minha religião, a minha fé, são livres como os passaros. Pois estão guardadas no templo religioso da minha propria conciencia.

PORQUE OS SERES HUMANOS MALTRATAM OS SEUS SEMELHANTES.

A VIDA É UM ETERNO JOGO DE XADREZ.

    PEÃO
São pessoas sem ambição, determinação, de facil manipulação, sem personalidade própria e que se da por
vencido muito facilmente. Portanto, são pessoas consideradas descartaveis. Pessoas que só servem de iscas
para atraírem peixes maiores, de grande influência e riquesa ou assumirem os erros dos outros.

TORRE
São péssoas fortes e determinadas que vão direto para o que querem.

CAVALO
São pessoas de carater duvidoso
que para conseguirem o que querem
passam por cima de tudo e de todos.

BISPOS
São pessoas desconfiadas.

RAINHA
São pessoas bastantes determinadas
e quase sem nenhum limite.

REI
São pessoas populares, ricas ou de grande influência
são aquelas pessoas em que todos querem se aproximar.

FAMÍLIA.

Três meninos e duas meninas,
sendo uma ainda de colo.
A cozinheira preta, a copeira mulata,
o papagaio, o gato, o cachorro,
as galinhas gordas no palmo de horta
e a mulher que trata de tudo.

A espreguiçadeira, a cama, a gangorra,
o cigarro, o trabalho, a reza,
a goiabada na sobremesa de domingo,
o palito nos dentes contentes,
o gramofone rouco toda a noite
e a mulher que trata de tudo.

O agiota, o leiteiro, o turco,
o médico uma vez por mês,
o bilhete todas as semanas
branco! mas a esperança sempre verde.
A mulher que trata de tudo
e a felicidade.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Alguma Poesia'

NÓS, O PISTOLEIRO, NÃO DEVEMOS TER PIEDADE.

(Moacyr Scliar)
Nós somos um terrível pistoleiro. Estamos num bar de uma pequena cidade do Texas. O ano é 1880. Tomamos uísque a pequenos goles. Nós temos um olhar soturno. Em nosso passado há muitas mortes. Temos remorsos. Por isto bebemos.
A porta se abre. Entra um mexicano chamado Alonso. Dirige-se a nós com despeito. Chama-nos de gringo, ri alto, faz tilintar a espora. Nós fingimos ignorá-lo. Continuamos bebendo nosso uísque a pequenos goles. O mexicano aproxima-se de nós. Insulta-nos. Esbofeteia-nos. Nosso coração se confrange. Não queríamos matar mais ninguém. Mas teremos de abrir uma exceção para Alonso, cão mexicano.
Combinamos o duelo para o dia seguinte, ao nascer do sol. Alonso dá-nos mais uma pequena bofetada e vai-se. Ficamos pensativo, bebendo o uísque a pequenos goles. Finalmente atiramos uma moeda de ouro sobre o balcão e saímos. Caminhamos lentamente em direção ao nosso hotel. A população nos olha. Sabe que somos um terrível pistoleiro. Pobre mexicano, pobre Alonso.
Entramos no hotel, subimos ao quarto, deitamo-nos vestido, de botas. Ficamos olhando o teto, fumando. Suspiramos. Temos remorsos.
Já é manhã. Levantamo-nos. Colocamos o cinturão. Fazemos a inspeção de rotina em nossos revólveres. Descemos.
A rua está deserta, mas por trás das cortinas corridas adivinhamos os olhos da população fitos em nós. O vento sopra, levantando pequenos redemoinhos de poeira. Ah, este vento! Este vento! Quantas vezes nos viu caminhar lentamente, de costas para o sol nascente?
No fim da Rua Alonso nos espera. Quer mesmo morrer, este mexicano.
Colocamo-nos frente a ele. Vê um pistoleiro de olhar soturno, o mexicano. Seu riso se apaga. Vê muitas mortes em nossos olhos. É o que ele vê.
Nós vemos um mexicano. Pobre diabo. Comia o pão de milho, já não comerá. A viúva e os cinco filhos o enterrarão ao pé da colina. Fecharão a palhoça e seguirão para Vera Cruz. A filha mais velha se tornará prostituta. O filho menor ladrão.
Temos os olhos turvos. Pobre Alonso. Não se devia nos ter dado suas bofetadas. Agora está aterrorizado. Seus dentes estragados chocalharam. Que coisa triste.
Uma lágrima cai sobre o chão poeirento. É nossa. Levamos a mão ao coldre. Mas não sacamos. É o mexicano que saca. Vemos a arma na sua mão, ouvimos o disparo, a bala voa para o nosso peito, aninha-se em nosso coração. Sentimos muita dor e tombamos.
Morremos, diante do riso de Alonso, o mexicano.
Nós, o pistoleiro, não devíamos ter piedade.
Moacyr Scliar. Para gostar de ler, vol. 9. São Paulo, Ática, 1992.